22 de Abril de 2021. Seja bem vindo!

(54) 3601-2474   |   (47) 3349-7280

 MENU

Artigo da Aport na Revista Somando de Abril

 

Nosso consultor e sócio-fundador da Aport, Jéferson Emilio de Souza, está na Revista Somando desse mês com o artigo “Os governos podem quebrar? Nossas empresas não”. Confira abaixo o texto na íntegra:

Os governos podem quebrar? Nossas empresas não.

 Por Jéferson Emilio de Souza

Todos nós sabemos o nível de endividamento, desmandos, falta de responsabilidade e de desperdício que temos em nossos governos. Cada novo governo que assume, despreza e abandona programas, projetos, ações e, com isto, lá se vão recursos importantíssimos pela ladeira abaixo…!
Os erros se repetem, por anos a fio, e aqueles que deveriam “fiscalizar”, fazem “acordos” e se agarram às amarras, ou brechas da nossa legislação para se beneficiar, confundir, mascarar ou ludibriar, independente do mérito ou teor do erro. E assim, cada erro dá margem a novas desculpas, que permitem justificar-se e defender-se sem arcar com o peso e as consequências dos próprios atos. Pior, podemos nos indignar, mas não podemos destituir ou exonerar os
responsáveis, apesar de sermos os “donos” da nação.

Mas, para o Estado não “quebrar”, quando está caindo no abismo, as estratégias são lançar mão de um novo imposto para aumentar a receita, atrasar pagamentos, abandonar obras e promessas que antes eram imprescindíveis… E, novamente, aqueles que deveriam fiscalizar continuam “embromando.”

Por outro lado, na iniciativa privada (empresas), admitir desperdício, postergação, erros banais de gestão, não tem perdão! Errou no atendimento, errou no preço, na qualidade, perdeu clientes e, consequentemente, vendas. Não fez gestão dos recursos materiais e humanos, tem as despesas maiores que as receitas, ocasionando prejuízos. Não planejou e improvisou, pois sempre fez assim, logo aparecerá um concorrente e fará melhor! E a consequência, inevitável, é a “morte”, o suicídio indireto no mercado.

Isso tudo porque o mercado não tolera erros. Se mesmo fazendo uma boa gestão estamos vulneráveis à competitividade sistêmica, imagine não fazendo gestão!

Porém, não há uma fórmula mágica para solucionar a vida das empresas, mas minhas experiências têm demonstrado que o planejamento, a organização da governança, uma execução assertiva com um bom acompanhamento tem gerado boas alternativas e bons aprendizados, permitindo que as empresas garantam maior competitividade. Mais de 95% dos clientes de nossa consultoria cresceram o seu faturamento em 2015. Não há mágica, somente métodos de empreender organizadamente. Uns chamam de sorte, preferimos chamar de competência empresarial.Nestes momentos difíceis, precisamos cuidar de nossas empresas. Não podemos deixá-las enfraquecer, pois elas geram o emprego, a riqueza, os serviços e os produtos que precisamos. Quanto ao governo, que amadureça e que conheça o que é otimizar recursos fundamentais para a sociedade. Talvez precisemos levar um pouco do saber privado para estes setores. 

A nós, cabe o papel de continuar fazendo uma boa gestão para garantir resultados de sucesso, afinal, realizar melhorias e ajustes na gestão são permanentes exigências do mercado exigente, enquanto que, apesar de nossas necessidades evoluírem, nosso modelo de governo continua ineficiente.

 

 

Data: 05/04/2016

 

Veja Também